O Caminho para a Vida Eterna - CULTO AO VIVO: "A PEDRA UNGIDA EM BETEL" - 17 DE NOVEMBRO DE 2019

CULTO AO VIVO: "A PEDRA UNGIDA EM BETEL" - 17 DE NOVEMBRO DE 2019

Muito bom dia amados irmãos e amigos presentes aqui em Waco, Texas. É para mim de grande bênção compartilhar com vocês nesta ocasião este tema tão importante: “A PEDRA UNGIDA EM BETEL”.

         Encontramos nessa passagem da história da vida de Jacó, algo muito importante. Vamos ler no capítulo 31 de Gênesis, onde diz… versículo 10 em diante, onde… ou um pouquinho antes, para que vejamos bem a história. Do versículo 1 em diante diz:

         “Então, ouvia as palavras dos filhos de Labão, que diziam: Jacó tem tomado tudo o que era de nosso pai e do que era de nosso pai fez ele toda esta glória.

Viu também Jacó o rosto de Labão, e eis que não era para com ele como dantes.

E disse o SENHOR a Jacó: Torna à terra dos teus pais e à tua parentela, e eu serei contigo.

Então, enviou Jacó e chamou a Raquel e a Léia ao campo, ao seu rebanho.

E disse-lhes: Vejo que o rosto de vosso pai para comigo não é como anteriormente; porém o Deus de meu pai esteve comigo.

E vós mesmas sabeis que, com todo o meu poder, tenho servido a vosso pai;

mas vosso pai me enganou e mudou o salário dez vezes; porém Deus não lhe permitiu que me fizesse mal.

Quando ele dizia assim: Os salpicados (ou seja as ovelhas) serão o teu salário, então, todos os rebanhos davam salpicados. E, quando ele dizia assim: Os listrados serão o teu salário, então, todos os rebanhos davam listrados.

Assim, Deus tirou o gado de vosso pai e mo deu a mim.

E sucedeu que, ao tempo em que o rebanho concebia, eu levantei os meus olhos e vi em sonhos que os bodes que cobriam as ovelhas eram listrados, salpicados e malhados.

E disse-me o Anjo de Deus, em sonhos: Jacó! E eu disse: Eis-me aqui.

E disse ele: Levanta, agora, os teus olhos e vê que todos os bodes que cobrem o rebanho são listrados, salpicados e malhados; porque tenho visto tudo o que Labão te fez.

Eu sou o Deus de Betel, onde tens ungido uma coluna, onde me tens feito o voto; levanta-te agora, sai-te desta terra e torna-te à terra da tua parentela.

Então, responderam Raquel e Léia e disseram-lhe: Há ainda para nós parte ou herança na casa de nosso pai?

Não nos considera ele como estranhas? Pois vendeu-nos e comeu todo o nosso dinheiro.

Porque toda a riqueza que Deus tirou de nosso pai é nossa e de nossos filhos; agora, pois, faze tudo o que Deus te tem dito.”

         Que Deus abençoe nossas almas com Sua Palavra e nos permita entendê-la.

         Nesta passagem, onde Jacó conta às suas esposas Raquel e Léia que Deus lhe disse que regresse à sua terra de nascimento, vejam vocês, Deus se identifica como o Deus de Betel, onde Jacó ungiu a pedra.

         Betel significa ‘a Casa de Deus’.

         Onde foi ungida a pedra com azeite? Em Betel, que é a Casa de Deus. A pedra representa Cristo.

         E vejam vocês, Jacó quando vinha da terra de Israel para a terra de Padã-Arã esteve em Betel, e ali teve um sonho onde viu uma escada que se apoiava na Terra e que seu outro extremo chegava ao céu, e viu anjos de Deus subindo por essa escada e descendo por essa escada; e no topo, a parte que tocava no céu, lá viu Deus.

         E quando Jacó despertou, despertou tremendo, assustado, e dizia: “Este é um lugar terrível. Não é outra coisa a não ser Casa de Deus e Porta do Céu”. Porque Betel, a Casa de Deus, “é um lugar terrível”: é o lugar que se apoia aqui na Terra, mas que se conecta com o Céu.

         Agora vejam, Nimrode quis fazer uma torre que se apoiava na Terra e sua parte alta chegava ao céu, ou seja: quis imitar o que Deus mostraria mais diante a Jacó. O que Nimrode quis imitar? Quis imitar a Igreja do Senhor Jesus Cristo. E por isso Deus não permitiu o que ele quis fazer.

         Mas vejam, na atualidade há edifícios maiores que a torre que estava construindo Nimrode e, entretanto… vejam vocês: há torres dessas, edifícios, que algumas vezes estão dentro das nuvens (em tempos onde há muitas nuvens, a parte alta algumas vezes se cobre de nuvens); e Deus permitiu fazer essas torres, ou seja: esses edifícios; no entanto a Nimrode não permitiu. É pelo que significava naquele tempo aquela torre que Nimrode estava construindo.

         E por isso o nome foi Babel, que significa ‘confusão’, pois Deus ali confundiu as línguas dos povos, e aí começaram a falar diferentes idiomas; e um dizia ao outro na construção: “Dá-me um tijolo”, e o outro não entendia o que estava dizendo, porque ali houve uma mudança de línguas e, por exemplo: alguém dizia: “Dá-me um tijolo”, e o outro o entendia em outro idioma e entendia outra coisa; ou seja: que ali não se compreendiam.

         E agora vejam vocês, tudo o que está fora do Programa Divino, correspondente à Casa de Deus, à Igreja do Senhor Jesus Cristo (representada a Casa de Deus em Betel, e também representada nessa escada que se apoiava em terra e seu outro extremo chegava ao céu), tudo o que não for a Igreja do Senhor Jesus Cristo (a qual está representada ali), tudo o que for diferente à Igreja de Jesus Cristo, estará em que? Em confusão.

         Como Nimrode e as pessoas do seu tempo que construíam a torre: Não era a torre de Babel, mas quando Deus confundiu às pessoas que ali estavam trabalhando e confundiu suas línguas, se tornou a torre de Babel; ou seja: que com o que Deus fez veio o nome a essa torre, ou seja: a esse edifício que estavam construindo.

         Seguramente o nome que iriam pôr era o nome de Nimrode, que era o rei desse território, o primeiro rei, o primeiro poderoso e o primeiro homem que teve um exército. E agora, Deus pôs o nome correspondente, porque ele quis fazer o que Deus faria em Seu Programa.

         Agora vejam; na construção da Igreja do Senhor Jesus Cristo, vejam vocês como veio a Igreja do Senhor Jesus Cristo crescendo: de abaixo para cima, na forma de uma escada ou de uma torre ou de um edifício, de era em era; e estiveram subindo (por essa escada, que é a Igreja de Jesus Cristo) e descendo anjos de Deus, que são os filhos e filhas de Deus com seus anjos mensageiros.

         Vejam como Cristo coloca os Seus filhos em Sua Igreja, que é essa escada de Jacó e que é Betel, ou seja: a Casa de Deus, onde se faz contato com o Céu; e onde os que sobem por essa escada, onde chegarão? Ao Céu.

         E agora, é na parte alta onde Jacó vê Deus. Nas demais etapas viu anjos subindo e descendo, mas quando viu à parte alta, ali viu Deus.

         E agora, encontramos Jacó que ao despertar do sonho ungiu a pedra que tinha servido de cabeceira, com azeite a ungiu; ofereceu ali a Deus… fez um altar ali e ofereceu ali a Deus… conforme (vamos ver) o capítulo 28 de Gênesis, vejamos aqui o que fez Jacó, versículo 10 em diante, vejamos:

“Partiu, pois, Jacó de Berseba, e foi-se a Harã.

E chegou a um lugar onde passou a noite, porque já o sol era posto; e tomou uma das pedras daquele lugar, e a pôs por sua cabeceira, e deitou-se naquele lugar.

E sonhou: e eis era posta na terra uma escada cujo topo tocava nos céus; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela.

E eis que o SENHOR estava em cima dela e disse: Eu sou o SENHOR, o Deus de Abraão, teu pai, e o Deus de Isaque. Esta terra em que estás deitado ta darei a ti e à tua semente.

E a tua semente será como o pó da terra; e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul; e em ti e na tua semente serão benditas todas as famílias da terra.

E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra, porque te não deixarei, até que te haja feito o que te tenho dito.

Acordado, pois, Jacó do seu sono, disse: Na verdade o SENHOR está neste lugar, e eu não o sabia.

E temeu e disse: Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a Casa de Deus; e esta é a porta dos céus.

Então, levantou-se Jacó pela manhã, de madrugada, e tomou a pedra que tinha posto por sua cabeceira, e a pôs por coluna, e derramou azeite em cima dela.

E chamou o nome daquele lugar Betel; o nome, porém, daquela cidade, dantes, era Luz.”

         Betel significa ‘a Casa de Deus’, e o nome desse lugar era Luz; e a Casa de Deus é Luz no meio deste mundo, porque na Casa de Deus é que está a Luz de Deus. Deus é Luz e está em Sua Casa. Por isso Cristo disse aos Seus discípulos: “Vós sois a luz do mundo, vós sois luz; (e Ele disse) uma cidade que está sobre um monte alto não pode se ocultar.”

         E agora, vejam vocês como Jacó tomou a cabeceira, a pedra onde tinha se deitado ou tinha colocado sua cabeça, e a ungiu com azeite.

         Encontramos que essa pedra representa Cristo. Essa pedra, sendo ungida aí, nos fala da Primeira Vinda de Cristo, o qual foi ungido (onde?) na Casa de Deus; pois Ele veio no meio do povo hebreu dois mil anos atrás…

         A Igreja hebraica sob a Lei, o povo hebreu sob a Lei, encontrava-se na sétima era da Igreja hebraica sob a Lei, sob o ministério de João Batista; e apareceu Jesus Cristo como o homem precursado por João Batista, do qual João disse: “Depois de mim vem um varão (ou seja: um homem), do qual eu não sou digno de desatar a cadarço de seu calçado; Ele os batizara com o Espírito Santo e fogo”. E quando apareceu Jesus, vejam vocês, apareceu no entrelace de uma nova dispensação: a Dispensação da Graça se entrelaçando com a Dispensação da Lei.

         Esse entrelace ali foi a Era da Pedra Angular. Nessa Era da Pedra Angular, que é a parte alta da Escada de Jacó, que viu em sonhos, que toca no Céu, vejam, essa Era da Pedra Angular é onde vemos Deus no topo da escada manifestado em carne humana em Jesus.

         E para o Último Dia Ele estará manifestado no meio da Sua Igreja, a Escada de Jacó; e no topo da Escada de Jacó, que é a Era da Pedra Angular, estará manifestado por meio de Seu Anjo Mensageiro falando a todos nós, a Israel espiritual primeiro, e em depois ao Israel terreno. O Israel celestial primeiro recebe a Voz de Cristo, a Voz de Deus, e depois o Israel terreno, ou seja: o povo hebreu.

         Agora vejam como Jacó esteve na terra de Padã-Arã uns 20 ou 21 anos; e depois ao regressar, já vinha com sua família, vinha com 11 filhos e 1 filha, e somente lhe faltava o filho número 12, que seria Benjamim, o qual nasceria lá no caminho a Belém; mas ainda não tinha nascido quando vem de regresso Jacó e se encontra com o Anjo do Senhor, quem o abençoa (no capítulo 32) e lhe muda o nome.

         E agora, no capítulo 35 encontramos que Deus envia Jacó a Betel; e ali, vejamos o que acontece:

“Depois, disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel e habita ali; faze ali um altar ao Deus que te apareceu quando fugiste diante da face de Esaú, teu irmão.

Então, disse Jacó à sua família e a todos os que com ele estavam: Tirai os deuses estranhos que há no meio de vós, e purificai-vos, e mudai as vossas vestes.

E levantemo-nos e subamos a Betel; e ali farei um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia e que foi comigo no caminho que tenho andado.”

         Por que tinham deuses alheios, pois Jacó diz que tirem os deuses alheios? Porque a família de Jacó por meio de suas esposas e das servas das suas esposas vinham de Padã-Arã, e eram territórios onde tinham diferentes religiões e tinham ídolos, criam nessas bobagens de ídolos e de imagens. E Jacó ordena tirar todos esses ídolos, porque na Casa de Deus não podem estar com ídolos e imagens e coisas assim.

         E agora podemos ver que o povo hebreu para o Último Dia está regressando dentre todas as nações gentias, onde obtiveram muitíssimos ídolos e onde alguns hebreus se converteram também a algumas religiões pagãs; pois até no meio do povo hebreu, em diferentes etapas dos reinos de diferentes reis hebreus, o povo se inclinou à idolatria, muitos deles.

         Por exemplo, no tempo do profeta Elias somente restavam quantos? 7000 pessoas — e por todos, 7001, com Elias — que não tinham dobrado seus joelhos a Baal, ou seja: que não tinham se inclinado à idolatria.

         E, vejam vocês, houve uns quantos milhões que se inclinaram a outras religiões, e principalmente à religião de Baal, que era a religião da esposa do rei, ou seja: de Jezabel; e o coração de Acabe tinha sido inclinado para a religião de Baal, e tinha se convertido à religião de Baal, e tinha deixado o Senhor.

         Agora, vejam vocês como sempre os profetas chamaram o povo a sair de toda a idolatria, e de todas essas imagens e ídolos, e a se converter ao Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó.

         E agora aqui Jacó ordena a sua família a sair de todos esses ídolos e coisas para ir a Betel, à Casa de Deus. E agora vejamos o que aconteceu ali:

         “Então, deram a Jacó todos os deuses estranhos que tinham em suas mãos e as arrecadas que estavam em suas orelhas; e Jacó os escondeu debaixo do carvalho que está junto a Siquém.

E partiram; e o terror de Deus foi sobre as cidades que estavam ao redor deles, e não seguiram após os filhos de Jacó.

Assim, chegou Jacó a Luz, que está na terra de Canaã (esta é Betel), ele e todo o povo que com ele havia.

E edificou ali um altar e chamou aquele lugar El-Betel, porquanto Deus ali se lhe tinha manifestado quando fugia diante da face de seu irmão.

E morreu Débora, a ama de Rebeca, e foi sepultada ao pé de Betel, debaixo do carvalho cujo nome chamou Alom-Bacute.

E apareceu Deus outra vez a Jacó, vindo de Padã-Arã, e abençoou-o.

E disse-lhe Deus: O teu nome é Jacó; não se chamará mais o teu nome Jacó, mas Israel será o teu nome. E chamou (Deus) o seu nome Israel.”

         Aqui, vejam vocês, Deus confirma novamente a mudança de nome. Já o tinha mudado no capítulo 28… ou capítulo 32, versículo 28, aí tinha mudado o nome, mas agora reconfirma a mudança de nome. Jacó significa ‘suplantador’ e Israel significa ‘príncipe com Deus’.

         “Disse-lhe mais Deus: Eu sou o Deus Todo-poderoso; frutifica e multiplica-te; uma nação e multidão de nações sairão de ti, e reis procederão de ti.

E te darei a ti a terra que tenho dado a Abraão e a Isaque e à tua semente depois de ti darei a terra.

E Deus subiu dele, do lugar onde falara com ele.

E Jacó pôs uma coluna no lugar onde falara com ele, uma coluna de pedra; e derramou sobre ela uma libação e deitou sobre ela azeite.

E chamou Jacó o nome daquele lugar, onde Deus falara com ele, Betel.”

         Aqui encontramos que novamente Jacó toma uma pedra e a unge com azeite. Aí temos representada a Segunda Vinda de Cristo. E é ungida essa pedra onde? Na Casa de Deus, ou seja: em Betel.

         Vimos em Hebreus, capítulo 3, o que nos diz o apóstolo São Paulo sobre a Casa de Deus. Capítulo 3, versículo 5 em diante, para não ler muito (vocês podem ler do 1 em diante depois):

         “E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua casa, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar;

mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim.”

         Ou seja: que a Casa de Deus quem são? Nós. A Igreja do Senhor Jesus Cristo é a Casa de Deus, ou seja: é Betel.

         E é em Betel onde a pedra foi ungida por Jacó com azeite pela segunda vez, assim como tinha sido ungida pela primeira vez quando ia da terra prometida para a terra gentia.

         E agora, quando vem dentre os gentios e chega à terra de Israel, já estando na terra de Israel ungiu pela segunda vez em Betel a pedra que representa Cristo em Sua Segunda Vinda; assim como a pedra que ungiu pela primeira vez em Betel representa a Primeira Vinda de Cristo, o qual foi ungido com o azeite do Espírito Santo e foi assim cheio do Espírito Santo em toda Sua plenitude.

         E agora, em Betel: Betel dois mil anos atrás era o povo hebreu em suas diferentes etapas ou eras pelas quais estava passando até chegar à Era da Pedra Angular, onde foi ungida essa Pedra, a Primeira Vinda de Cristo.

         E agora Betel é a Igreja do Senhor Jesus Cristo, o Israel celestial… Assim como Betel dois mil anos atrás era o Israel terreno, agora Betel é o Israel celestial. E é Betel espiritual ou celestial o que por dois mil anos esteve esperando a Vinda da Pedra não cortada por mãos, a Vinda da Pedra de Ângulo que os edificadores rejeitaram dois mil anos atrás em Sua Primeira Vinda.

         Pedro lhes disse que Cristo é essa Pedra que os edificadores rejeitaram; no capítulo 4, versículo 11, diz [Atos]:

         “Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores…”

         Pois os edificadores eram os líderes religiosos do povo hebreu.

         E agora, vejam como Cristo é a Pedra de Ângulo que os edificadores rejeitaram.

         Ele é também aquela Pedra que Moisés feriu na primeira ocasião, lá no monte Sinai quando o povo hebreu teve sede, e Deus disse: “Fere a pedra com tua vara, a rocha com tua vara, e ela dará águas para o povo”. Ou seja: um rio de água sairia para o povo, dessa rocha, porque eram uns dois milhões de pessoas; ou seja: que não é pouquinha água, mas muita água a que sairia dessa rocha, ou seja: um rio de água sairia dessa rocha.

         Recordem que há rios subterrâneos; e um rio subterrâneo, se é aberto em um lugar onde se faz contato com esse rio, pois daí brota todo esse rio subterrâneo e se converte em um rio sobre a terra. E assim aconteceu para o povo hebreu.

         Agora, seguramente para esse momento houve um bom terremoto… algo aconteceu quando Moisés feriu a rocha com a vara.

         Essa foi a forma em que Deus disse a Moisés que fizesse nessa ocasião. E por quanto Deus reflete Seu Programa em Seus profetas, e Deus reflete em Seus profetas a Vinda do Senhor, está refletindo nesta rocha a Primeira Vinda de Cristo, o qual foi ferido na Cruz do Calvário, e agora dessa Rocha sai Água de Vida Eterna: sai o Espírito de Cristo.

         Ele disse: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba”. Ele disse: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre (ou seja: do seu interior), falando do Espírito que receberiam os que creriam n’Ele. No capítulo 7 de São João nos fala estas coisas, Jesus, no grande dia da Festa dos Tabernáculos, ou seja: no último dia da Festa dos Tabernáculos.

         Agora vejam vocês como Deus tipificou em Moisés ferindo a rocha, representou a crucificação de Cristo; pois a Rocha, sendo Cristo, foi ferido na Cruz do Calvário.

         Em seguida chegaram, mais adiante e passado algum tempo (seguramente alguns anos provavelmente), chegaram ao outro lugar; não era o mesmo lugar, mas outro lugar. E agora em Números nos fala sobre esse evento que ali se realizou, Números, capítulo 20. (vamos ver se o encontramos, para que vocês vejam o que aconteceu ali … Já o temos por aqui… Vamos ver se posso mostrar onde aconteceram estas coisas…).

         A primeira rocha que foi ferida foi aí, diante do Sinai… E aqui no mapa que temos; no mapa que temos podemos ver que foi em Refidim, que está diante do Sinai, aqui; mas quando Moisés feriu a segunda rocha, foi nesta parte de Cades-barnea, que está muito afastado do monte Sinai (nesta parte de aqui).

         Para chegar aí não sabemos quanto tempo levou ao povo hebreu, já que Deus os estava levando pelo deserto com um propósito, provando o povo hebreu, para que assim se manifestasse neles a intenção do coração de cada um deles.

         Vamos ver… Em seguida veremos quando chegaram ali, mas vamos ver no capítulo 8 de Deuteronômio o propósito pelo qual Deus levou o povo pelo deserto por 40 anos; e isso somente era uma viagem (de quanto tempo, Miguel?) de 3 meses ou mais, como muito 3 meses, do Egito à terra de Israel; mas vejam vocês, levou 40 anos do povo por uma causa. Assim como encontramos que de Moisés à Vinda do Messias levou umas quantas centenas de anos (mais de mil anos, Miguel? De Moisés a Jesus?), e depois de Jesus a este tempo final.

         Vejam vocês, a Igreja do Senhor Jesus Cristo também esteve passando por uma trajetória para a terra prometida do glorioso Reino Milenial. Mas vejam vocês, já transcorreram uns dois mil anos de Cristo até aqui; e algumas pessoas que se desesperaram através deste percorrido, em alguma era se desesperaram, pois desejaram que o Reino Milenial estivesse na Terra, ou seja: desejaram chegar à terra prometida do glorioso Reino Milenial e à terra prometida do novo corpo; mas há um propósito em todo este recorrido, o qual nós precisamos compreender porque de outra maneira nos desesperamos e pensamos que nunca vamos chegar.

         E sabem quem não chegou? Os que se desesperaram e creram que nunca chegariam. Mas Josué e Calebe creram que iriam chegar porque saíram para chegar; e chegaram à terra prometida. Mantiveram-se fiéis a Deus. Aí está o segredo. Manterem-se fiéis a Deus e ao profeta Moisés; garantiu a saída do Egito e a chegada à terra prometida.

         Agora, vejam o que acontece quando se está por essa etapa onde a pessoa sai do mundo ao receber Cristo como seu Salvador e entra nesse recorrido em sua vida; e também a Igreja do Senhor Jesus Cristo.

         Agora, no capítulo 8, versículo 1 em diante, de Deuteronômio, diz:

         “Todos os mandamentos que hoje vos ordeno guardareis para os fazer, para que vivais, e vos multipliqueis, e entreis, e possuais a terra que o SENHOR jurou a vossos pais.

         E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o SENHOR, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos ou não.”

         Para que os trouxe pelo deserto por quarenta anos? Para prová-los e para saber o que havia em seu coração; porque quando se passa por provas é que sai o que há no coração das pessoas. E para saber se iriam guardar ou não os mandamentos de Deus; porque quando as pessoas estão nas etapas boas, dizem: “Oh, que bom é nosso Deus”, e dão graças a Deus e estão muito contentes; mas quando vêm os momentos difíceis na vida das pessoas, alguns pensam que Deus não está com eles ou que Deus não existe, e alguns se afastam de Deus e falam coisas que não convém que falem. E isso foi o que aconteceu com o povo hebreu.

         Em 10 ocasiões quiseram apedrejar o profeta Moisés. Ou seja: que em cada ano pelo menos em 2 ocasiões quiseram apedrejar Moisés (ou seja: a cada 6 meses); e talvez em 1 ano, talvez 4 vezes. Porque em 40 anos, 2 vezes seriam 8 vezes, e as outras 2 as podem acrescentar a alguns dos anos onde foi mais de uma ocasião que quiseram apedrejar o profeta Moisés.

         E agora diz que Deus os passou por essas provas durante esses quarenta anos para que se manifestasse o que havia no coração deles.

         “E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem.”

         E Jesus usando esta passagem diz: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda Palavra que sai da boca de Deus”. E a boca de Deus são os profetas de Deus.

         A Palavra de Deus por meio do profeta Moisés era bênção para o povo hebreu, e se guardassem essa Palavra eram abençoados por Deus. Os que se rebelaram contra Moisés pereceram.

         Josué e Calebe permaneceram fiéis a Moisés e entraram à terra prometida, e todas as crianças e jovens que saíram do Egito de 20 anos para baixo; mas os que tinham de 20 anos para cima não entraram na terra prometida, exceto Josué e Calebe. Ou seja: que as pessoas mais anciãs do povo hebreu que entraram à terra prometida foram Josué e Calebe.

         Agora, podemos ver o porquê na trajetória dos membros da Igreja de Jesus Cristo para a terra prometida do novo corpo e a terra prometida do Reino Milenial, passamos por diferentes provas em nossa vida cristã: para que seja mostrado diante da presença de Deus o que há em nosso coração, se guardaremos ou não Sua Palavra. Porque “nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.”

         Cristo disse: “Minhas palavras são espírito e são vida”, e “quem ouve minha palavra, e crê ao que me enviou, tem vida eterna; e não entrará a condenação, mas passou de morte a vida.”

         E agora vejamos o da segunda rocha… A primeira está em Êxodo… (Já tínhamos lido essa, Miguel? Ou não?). Bom, vamos ler a de Êxodo, 17:5. Diz:

“Então, disse o SENHOR a Moisés: Passa diante do povo e toma contigo alguns dos anciãos de Israel; e toma na tua mão a tua vara, com que feriste o rio, e vai.

Eis que eu estarei ali diante de ti sobre a rocha, em Horebe, e tu ferirás a rocha, e dela sairão águas, e o povo beberá. E Moisés assim o fez, diante dos olhos dos anciãos de Israel.

E chamou o nome daquele lugar Massá e Meribá, por causa da contenda dos filhos de Israel, e porque tentaram ao SENHOR, dizendo: Está o SENHOR no meio de nós, ou não?”

         E Deus mostrou que sim estava.

         E agora, a segunda ocasião em que Moisés fere uma rocha para que saia água para o povo foi em Números, capítulo 20, versículo 7 em diante, onde diz… Ou seja: o povo teve sede de novo e se levantou contra Moisés e contra Aarão:

         “E o SENHOR falou a Moisés, dizendo:

Toma a vara e ajunta a congregação, tu e Arão, teu irmão, e falai à rocha perante os seus olhos…”

Agora vejam aqui o que Deus lhe diz:

“… e falai à rocha perante os seus olhos, e dará a sua água; assim, lhes tirarás água da rocha e darás a beber a congregação e aos seus animais.

Então, Moisés tomou a vara de diante do SENHOR, como lhe tinha ordenado.

E Moisés e Arão reuniram a congregação diante da rocha, e Moisés disse-lhes: Ouvi agora, rebeldes: porventura, tiraremos água desta rocha para vós?

Então, Moisés levantou a sua mão e feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saíram muitas águas; e bebeu a congregação e os seus animais.

E o SENHOR disse a Moisés e a Arão: Porquanto não me crestes a mim, para me santificar diante dos filhos de Israel, por isso não metereis esta congregação na terra que lhes tenho dado.

Estas são as águas de Meribá, porque os filhos de Israel contenderam com o SENHOR; e o SENHOR se santificou neles”.

         Agora vejam, Deus havia dito ao Moisés: “Fale a rocha”, e ele cheio de ira golpeou a rocha.

         E quando uma pessoa faz a Obra de Deus com ira, sempre comete um erro: que desagrada a Deus; porque a Obra de Deus tem que ser feita com amor Divino.

         E Moisés está fazendo uma obra, a Obra de Deus, a favor do povo de Deus, do povo hebreu, e está fazendo essa obra com ira. E vejam vocês, mesmo que produziu a água que o povo necessitava, o produziu de uma forma que Deus não disse a Moisés que fizesse. Deus não disse a Moisés: “Golpeia a rocha”, mas: “Fale a rocha”. E Deus não disse a Moisés que podia ir à rocha com ira; porque a Obra de Deus não pode ser feita com ira pela pessoa ou por um mensageiro, mas em amor Divino.

         E agora, Moisés, vejam vocês, por fazer esta obra nessa forma: com ira e ferir a rocha com a vara, a ferindo duas vezes, rompeu o tipo e figura do que Deus queria mostrar ali, o qual é o tipo e figura da Segunda Vinda de Cristo. Moisés rompeu o tipo e figura da Segunda Vinda de Cristo como Deus queria mostrá-lo: falando à rocha.

         Agora, na Primeira Vinda de Cristo, por quanto a Rocha seria ferida, Cristo seria ferido na Cruz do Calvário, pois Moisés tinha que ferir a rocha com sua vara, essa rocha que estava diante do monte Sinai.

         Mas agora esta rocha que está em outro território, em outro lugar, nesta ocasião para dar água tinha que ser por meio de Moisés falar à rocha, falando não com ira mas com amor; porque essa rocha representava a Segunda Vinda de Cristo.

         E a Segunda Vinda de Cristo não é para ser ferida, não é para ser crucificada a Segunda Vinda de Cristo, como foi crucificada a Primeira Vinda de Cristo; porque por meio da crucificação de Cristo dois mil anos atrás resolveu o problema do pecado, e não é necessária uma segunda crucificação de Cristo em Sua Segunda Vinda.

         Agora, por quanto Moisés rompeu o tipo e figura ali, a Segunda Vinda de Cristo será perseguida como foi perseguida a Primeira Vinda de Cristo, e terá o equivalente ao que foi a crucificação da Primeira Vinda de Cristo; ou seja: não será uma crucificação física mas espiritual, pelos que rejeitarão a Segunda Vinda de Cristo.

         E os edificadores que desprezaram, rejeitaram a Primeira Vinda de Cristo e pediram Sua morte, Sua crucificação, os edificadores do Último Dia, do cristianismo, que forem encontrados lutando contra a Segunda Vinda de Cristo: serão tidos por Deus na mesma forma em que foram tidos os que rejeitaram a Primeira Vinda de Cristo, os edificadores, os líderes religiosos do judaísmo, os quais rejeitaram a Primeira Vinda de Cristo, a Vinda da Pedra de Ângulo, a Pedra que os edificadores rejeitaram, a qual veio ser cabeça de ângulo.

         Agora, haverá edificadores no meio do Israel espiritual, no meio do cristianismo, que no cumprimento da Segunda Vinda de Cristo se levantarão contra a Segunda Vinda de Cristo; e lhes contará como contou aos que rejeitaram; aos que desprezaram a Primeira Vinda de Cristo, rejeitaram a Pedra de Ângulo que veio no meio do povo hebreu, rejeitaram a Rocha que Moisés feriu com sua vara ali diante do monte Sinai.

         E agora, para o Último Dia haverá alguns que rejeitarão a Pedra não cortada por mãos em Sua Segunda Vinda, que o profeta Daniel viu e interpretou ao rei Nabucodonosor no sonho que teve quando viu uma imagem (ou seja: uma estátua) que representa o reino dos gentios; e viu que do monte saiu uma pedra não cortada por mãos que feriu a imagem nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou; e assim esmiuçou o ferro e o barro, esmiuçou as pernas de ferro, esmiuçou as coxas e o ventre de bronze, esmiuçou o peito e os braços de prata, e a cabeça de ouro. Essa Pedra é a Segunda Vinda de Cristo.

         E agora, vejam vocês, foi o império dos gentios quem crucificou Cristo a pedido do povo hebreu. E para este tempo final o império ou reino dos gentios estará presente também na etapa dos pés de ferro e de barro; e isso será o reino da besta com os dez reis que darão seu poder e sua autoridade.

         E agora vejam qual será o desenlace desse enfrentamento. Diz: “E os dez…”. Capítulo 17, versículo 11 em diante [Apocalipse]:

“E a besta, que era e já não é, é ela também o oitavo, e é dos sete, e vai à perdição.

E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão o poder como reis por uma hora, juntamente com a besta.

Estes têm um mesmo intento e entregarão o seu poder e autoridade à besta.

Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, eleitos e fiéis.”

         Quem são os que estão com Ele?

         Agora, essa é a Vinda da Pedra não cortada por mãos, é a Vinda do Senhor.

         Em Apocalipse, capítulo 19, Ele vem sobre um cavalo branco, e diz assim… Capítulo 19… vamos ver o que nos diz o precursor da Segunda Vinda de Cristo, para assim ter um quadro claro…

         Aí, no capítulo 19, estão os que vêm com Ele. Os que vêm com Ele, os que estão com Ele, que são chamados, fiéis e eleitos, é a Igreja do Senhor Jesus Cristo, os mortos em Cristo que ressuscitarão em corpos eternos e nós os que vivemos que seremos transformados. Esse é o poderoso Exército do Senhor Jesus Cristo: é Sua Igreja.

         E agora, na página 131 do livro Os Selos nos diz o precursor da Segunda Vinda de Cristo:

         “131. E agora Jesus: Seu Nome sobre a Terra foi Jesus o Redentor, porque foi o Redentor quando esteve sobre a Terra; mas quando conquistou o inferno e a morte, os venceu e subiu, então recebeu um novo Nome. Por essa razão é que gritam e fazem tanto ruído e não recebem nada. Será revelado nos Trovões.

         132. Notem no mistério. Ele vem cavalgando. Tem que haver algo para mudar esta igreja. Vocês sabem isso. Tem que vir algo! Agora notem: Ninguém entendia esse nome, a não ser Ele mesmo.

         ‘E estava vestido de um manto salpicado de sangue: e seu nome é chamado O VERBO de Deus.

         E os exércitos que estão no céu o seguiam em cavalos brancos, vestidos de linho muito fino, branco e limpo.

         E de sua boca sai uma espada afiada, para ferir com ela as nações; e ele os regerá com vara de ferro; e ele pisa o lagar do vinho do furor, e da ira de Deus Todo-Poderoso.

         E em sua veste e em sua coxa tem escrito este nome: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES’.

         Apocalipse 19:13-16

         133. Ai vem o Messias, ai é onde está.”

         É a Vinda da Pedra não cortada por mãos.

         Assim como a pedra que Moisés feriu diante do monte Sinai, o lugar onde estava essa pedra tinha um nome; mas quando feriu pela segunda vez, ou seja: a outra pedra, o lugar onde estava essa pedra, pois tinha outro nome.

         E agora, quando Jesus Cristo veio dois mil anos atrás, quando veio essa Pedra não cortada por mãos, tinha um nome: Jesus. E agora quando Ele subiu ao Céu vitorioso recebeu um novo nome.

         E agora, a Pedra tem um novo nome, mas a Pedra continua sendo quem? Cristo. Vejamos se essa Pedra tem ou não tem um novo nome. Se tiver, a Escritura tem que dizer que tem um novo nome. Apocalipse, capítulo 2, versículo 17, diz:

         “Ao que vencer darei eu a comer do maná escondido…”

         O maná escondido estava no lugar Santíssimo; e isso é a revelação da Segunda Vinda de Cristo, que é o alimento espiritual para todos os filhos de Deus do Último Dia.

         “… e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.”

         Tem ou não tem essa Pedra um nome novo? Claro que sim!

         A Pedra, que é Cristo em Sua Segunda Vinda, vem com um nome novo. Essa é a Pedra não cortada por mãos que o profeta Daniel viu na interpretação que deu ao sonho do rei Nabucodonosor.

         “... o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe”. Haverá alguém que receberá… Que o receberá? Vamos ver se o diz a Escritura. Apocalipse, capítulo 3, versículo 12, diz:

         “A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.”

         Ele prometeu escrever o Nome Eterno de Deus e Nome da Cidade do nosso Deus e Seu Nome Novo onde? Sobre o Vencedor.

         Esse é quem o receberá e quem o entenderá e quem o revelará aos escolhidos de Deus neste tempo final, na Vinda dessa Pedra não cortada por mãos, que é a Pedra Angular que os edificadores rejeitaram dois mil anos atrás, os edificadores do judaísmo; e que no Último Dia vem novamente essa Pedra Angular, e muitos edificadores do cristianismo também menosprezarão e rejeitarão.

         Mas aí virá a manifestação do Nome Eterno de Deus e Nome da Cidade do nosso Deus, porque não há outro nome melhor para a Cidade do nosso Deus que o Nome de Deus e o Nome Novo do Senhor Jesus Cristo, que não é outro a não ser o Nome Eterno de Deus.

         E agora, vejam vocês como para o tempo final, com a Vinda dessa Pedrinha branca que vem com um nome novo escrito nela, vem o cumprimento da Segunda Vinda de Cristo com Seu Nome Novo. E quem recebe a Segunda Vinda de Cristo é quem o entenderá.

         Agora podemos ver que esta bênção não estava disponível para as eras passadas, porque esta é uma bênção que corresponde ao topo da Escada de Jacó, que é a Era da Pedra Angular; assim como a Vinda do Messias, a Vinda da Pedra que os edificadores rejeitaram dois mil anos atrás; correspondia à Era da Pedra Angular com o nome para redenção, o nome Jesus.

         E agora, vejam vocês como para este tempo final, para a Era da Pedra Angular, que é o topo da Escada de Jacó, é que a Pedra não cortada por mãos vem com um nome novo, vem essa Rocha, essa Pedra com um nome novo.

         E ferir essa Rocha significa, para as pessoas que o fizerem, o mesmo que significou para Moisés e Aarão: que não entrarão à terra prometida. Não poderão ser transformados e raptados e levados à Ceia das Bodas do Cordeiro no Céu e tampouco ao glorioso Reino Milenial de Cristo.

         Porque Moisés; vejam vocês, por ferir a rocha com ira… vejam vocês, assim também farão muitas pessoas, com ira, como fizeram na Primeira Vinda de Cristo, que se encheram de ira e pediram a morte de Cristo, e foi crucificado pelos romanos.

         E agora com ira muitos se levantarão neste tempo final contra a Segunda Vinda de Cristo, no cumprimento da Vinda da Pedra não cortada por mãos, e lhes contará como contou àquelas pessoas a crucificação de Cristo.

         Agora vejamos em Deuteronômio, capítulo 3, versículo 23, algo muito importante aqui; capítulo 3, versículo 23 em diante, diz:

         “Também eu pedi graça ao SENHOR, no mesmo tempo, dizendo:

         Senhor JEOVÁ, já começaste a mostrar ao teu servo a tua grandeza e a tua forte mão; porque, que deus há nos céus e na terra, que possa fazer segundo as tuas obras e segundo a tua fortaleza?

Rogo-te que me deixes passar, para que veja esta boa terra que está dalém do Jordão, esta boa montanha e o Líbano.”

         Ou seja: aqui Moisés está pedindo a Deus que lhe permita passar à terra prometida. Disse Moisés que orou assim a Deus; aqui está contando ao povo hebreu como ele orou a Deus.

         “Porém o SENHOR indignou-se muito contra mim, por causa de vós…”

         Agora, por causa do povo, Moisés cometeu o erro que cometeu; ou seja: que toda a culpa não tem o povo, mas também Moisés. O povo provocou Moisés a ira, e Moisés se deixou levar pela ira e cometeu o erro de ferir a rocha duas vezes, quando Deus lhe havia dito: “Fale a rocha, e dará águas para todo o povo e seus animais.”

         “Porém o SENHOR indignou-se muito contra mim, por causa de vós, e não me ouviu…”

         Agora, Moisés orou a Deus e Deus o escutou, mas não escutou seu pedido, ou seja: não concedeu o pedido de Moisés.

         Quando dizemos: “Orei a Deus e Deus não me escutou”, o que significa é que Deus não concedeu à pessoa o que estava pedindo a Deus, não lhe concedeu seu pedido; mas Deus sempre o escuta, e escuta a toda pessoa que fala nesta Terra. Agora aqui Moisés diz: “Mas Deus não me escutou.”

         “… o SENHOR me disse: Basta…”

         Ou seja: que não orasse mais, que não lhe fizesse mais esse pedido. Disse:

         “Basta; não me fales mais neste negócio.”

         Ou seja: que era um assunto já concluído.

         Deus disse lá, quando feriu a rocha (ao invés de lhe falar, como Deus lhe disse), Deus lhe disse: “Não entrarás tu nem Aarão à terra prometida”. E isso já era algo definitivo da parte de Deus.

         E Moisés tentou que Deus mudasse Sua sentença, mas Deus disse: “Basta; não me fales mais neste negócio”, ou seja: “não entrarás na terra prometida”; e diz:

         “Sobe ao cume de Pisga, e levanta os teus olhos ao ocidente, e ao norte, e ao sul, e ao oriente, e vê com os teus olhos, porque não passarás este Jordão.

         Manda, pois, a Josué, e esforça-o, e conforta-o; porque ele passará adiante deste povo e o fará possuir a terra que apenas verás.”

         Vejam vocês, Moisés somente veria a terra prometida. Em seu corpo físico não entraria na terra prometida, ao outro lado do Jordão, pelo que fez. Ainda cumprindo a vontade de Deus, de dar água ao povo, da rocha, o fez na forma incorreta: ferindo a rocha, quando tinha que falar à rocha.

         Por isso é que não podemos fazer a Obra de Deus, trabalhar na Obra de Deus com ira, mas com amor divino, para que Deus se agrade de nós. Deus não se agradou de Moisés na forma que fez a Obra de Deus nesse momento, mesmo que produziu a água.

         E assim também acontece conosco: se fizermos a Obra de Deus com ira: sempre a Mensagem vai chegar às pessoas e será de bênção para as pessoas, mas nós; se estivermos fazendo por ira, não temos a bênção de Deus, e Deus não estará contente conosco. Mas se fizermos todo o trabalho no Reino de Deus com amor divino, Deus estará muito contente conosco; e a Palavra, a Mensagem chegará às pessoas, chegará a Água de Vida Eterna. Ele diz: A quem quer tiver sede, de graça darei da fonte da água da vida.” (Apocalipse, capítulo 21, versículo 6).

         E Apocalipse 22, versículo 17, diz:

         “E o Espírito e a noiva dizem: Vem! E quem ouve diga: Vem! E quem tem sede venha; e quem quiser tome de graça da água da vida.”

         Agora podemos ver… Isso está em Apocalipse, capítulo 22, versículo 17.

         Agora podemos ver que há uma oportunidade aqui para todo ser vivente, para que possa tomar da Água da Vida gratuitamente e possa assim receber o Espírito de Cristo neste tempo final, e assim obter vida eterna.

         Vimos este mistério de A PEDRA UNGIDA.

         A pedra foi ungida em Betel a primeira vez, quando Jacó ia do território onde ele tinha nascido e ia ao território de Padã-Arã. Agora, este território, Betel, pertence ao povo hebreu. E quando ia fugindo do seu irmão, ali se deteve para dormir, e teve assim essa experiência gloriosa; e ungiu em seguida (na manhã) essa pedra, que representa a Primeira Vinda de Cristo.

         E depois, quando regressava dentre os gentios, dentre o território gentio, para a terra prometida, já estando aí nesse território que Deus daria a Jacó e a sua descendência, encontramos que se encontrou novamente com o Deus. E, vejam vocês, Deus disse que fosse a esse lugar; e foi ali, e ali ungiu… fez um altar para Deus e ali ungiu uma pedra, levantou uma pedra por sinal e a ungiu.

         E agora vejam vocês, para a Primeira Vinda de Cristo a Escritura diz no livro de Isaías, capítulo 7, versículo 14:

         “Portanto, o mesmo Senhor vos dará um sinal (agora aqui está este sinal que Deus dará; o qual será uma Pedra): eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel (que traduzido é: Deus conosco).

         E quando se cumpriu essa promessa, nasceu em Belém da Judeia, Jesus, por meio da virgem Maria.

         Agora podemos ver como Deus levantou esse sinal, que foi a Pedra que os edificadores rejeitaram, assim como Jacó tinha levantado por sinal uma pedra.

         E em seguida, pela segunda ocasião levantou uma pedra por sinal, em Betel, quando já estava ali, no território que Deus prometeu que daria a ele e à sua descendência, e a ungiu ali também com azeite; o qual representa a Pedra Angular da Segunda Vinda de Cristo.

         Agora vimos este mistério tão grande.

         Mostrei (no que disse o precursor da Segunda Vinda de Cristo) a Vinda dessa Pedra como o Cavaleiro do cavalo branco de Apocalipse 19; e também mostrei em Apocalipse, capítulo 2, versículo 17, essa Pedrinha branca que vem com um nome novo, o qual ninguém entende a não ser aquele que o recebe.

         E agora, o que diz que será a Vinda do Cavaleiro do cavalo branco de Apocalipse 19? O que diz o precursor da Segunda Vinda de Cristo, o reverendo William Branham? Na página 256 do livro Os Selos diz:

         “121. Mas quando nosso Senhor aparecer sobre a Terra, Ele virá sobre um cavalo branco como a neve, e será completamente Emanuel — a Palavra de Deus encarnada em um homem.”

         Essa é a Pedra Angular: a Pedra da Segunda Vinda de Cristo, levantada e ungida com o azeite do Espírito Santo no Último Dia.

         E isso é o Anjo que era diferente dos demais, que apareceu em 28 de fevereiro de 1963, o qual é quem forma o cabelo branco do Senhor aqui, e os outros anjos formam a barba do Senhor.

         Deste Anjo disse o reverendo William Branham (já para concluir)… diz, na página 469 do livro Os Selos:

         “153. E notaram que disse que um desses anjos era muito diferente? Pareceu-me muito diferente dos demais. Estavam em uma constelação com três a cada lado e um acima; e o que estava ao meu lado, contando desde a esquerda para a direita, esse seria o sétimo Anjo. Ele era mais brilhante e significava mais para mim que os demais. Disse que tinha o peito assim robusto e estava voando para o Oriente. Disse também que: ‘Me levantou, me elevou’. Se lembram?

         154. Agora, aqui está! Era quem tinha o Sétimo Selo, o qual mantive como uma pergunta em minha mente toda minha vida.”

         Quem é quem tem o Sétimo Selo (e o Sétimo Selo é a Segunda Vinda de Cristo)? O Anjo que era diferente dos demais, que forma nesta foto o cabelo branco do Senhor.

         Para se manifestar esse Anjo, tem que fazê-lo da mesma forma que o fizeram os sete anjos da Igreja gentia, os quais aparecem nessa foto, nessa nuvem, em seus corpos teofânicos; mas para ter seus ministérios aqui na Terra, tiveram que estar em carne humana e ministrar — na era que Deus os enviou — a Palavra de Deus à Igreja de Jesus Cristo.

         E para o Anjo que tem o Sétimo Selo, o Anjo que era diferente dos demais e forma o cabelo branco do Senhor, para ter Seu ministério e ministrar à Sua Igreja a Palavra na Era da Pedra Angular, tem que vir manifestado em carne humana em Seu Anjo Mensageiro.

         Mesmo que Seu Anjo Mensageiro não é o Senhor Jesus Cristo, por meio de Seu Anjo Mensageiro Cristo, a Pedra de Ângulo, estará manifestado falando à Sua Igreja todas estas coisas que em breve devem acontecer.

         Temos aqui… Tinha-lhes dito que já para concluir, mas aqui há algo que disse o reverendo William Branham, de um sonho que seu filho Billy Paul teve, que se relaciona à Vinda dessa Pedra não cortada por mãos. Na página 118 do livro Citações em espanhol, versículo 1050, diz:

         1050 – “Meu filho Billy Paul fala dormindo, mas não tem estes sonhos muito frequentemente. A outra noite teve um sonho que o estremeceu. Sonhou que estava na igreja e que eu não chegava ainda, e quando cheguei me saía luz dos olhos, e eu disse: ‘Este é o tempo; já terminou…’ E todos começaram a gritar: ‘Não posso, meus filhos.’ Minha esposa disse: ‘Não posso fazer a Sara que faça oração na mesa, etc.’. Billy Paul disse: ‘Tenho que trazer para Loyce (ou seja: sua esposa) e ao menino’. E eu disse: ‘Loyce não pode vir agora, o menino está muito pequeno para saber isto. Billy, a hora está aqui; vale mais ir’. E eu disse: ‘Já é a meia noite; antes do amanhecer Jesus estará aqui. E se não é assim, sou uma falsa testemunha de Cristo’. E alguém falou e disse: ‘Nenhum homem sabe o minuto nem a hora’. Eu não disse o minuto nem a hora, eu disse: ‘Será entre o anoitecer e o amanhecer’. Eu disse: ‘Vamos Billy’. E eu disse: ‘Este é o tempo, vamos’. E subimos no carro e fomos para a montanha. E quando fomos, parecia que a luz do amanhecer já vinha…”

         Recordem que foi quando estava raiando a alva que o Anjo do Senhor abençoou (a quem?) a Jacó.

         “… e os céus estavam escuros sobre a Terra. Ele disse que saisse a um lado do caminho e levantei minhas mãos desta maneira (ou seja: acima, ao céu). Ainda me saía luz (ou seja: fogo) dos olhos; e disse: ‘Senhor, eu tenho feito isto por seu mandato, eu fiz isto porque Você me disse que o fizesse assim… Eu fiz estas coisas de acordo com o que Você me disse’. E eu fiz sinais a uma grande montanha de granito, e uma luz sem mãos cortou esta pedra da montanha que pesava centenas de toneladas, e vinha (ou seja: vinha descendo). Eu disse: ‘Virem suas cabeças, não olhem. Tudo acabará em uns quantos minutos’. E um grande e santo silêncio havia em todas as partes…”

         Um grande e santo silêncio, como em Apocalipse, capítulo 8, versículo 1, onde diz que quando o Sétimo Selo foi aberto no Céu houve silencio no Céu como por meia hora.

         “E um grande e santo silêncio havia em todas as partes, quando esta pedra vinha para nós. Pode ser mais tarde do que pensamos. É exatamente escritural. (Veem vocês?) A pedra sem mãos que cortou da montanha. E algum destes dias vai acontecer assim, que vocês gritarão por algo… Este é um sonho mandado do Senhor”.

         Agora vejam como compara essa pedra, que, no sonho, Billy Paul viu que foi cortada da montanha por essa Luz, quando nosso irmão Branham elevou seus braços e falou; é a mesma Pedra que o profeta Daniel viu na interpretação do sonho do rei Nabucodonosor; porque essa Pedra é a Segunda Vinda de Cristo.

         Agora vejam como este sonho foi mandado por Deus, diz nosso irmão Branham, e vejam como guarda este sonho toda a ordem das profecias da Segunda Vinda de Cristo: se refletiu a Segunda Vinda de Cristo nessa Pedra não cortada por mãos, mas por uma Luz; se refletiu também nos olhos do nosso irmão Branham, saindo fogo de seus olhos… porque em Apocalipse, capítulo 1, e Apocalipse, capítulo 10, e Apocalipse, capítulo 19, encontramos a Vinda de Cristo com Seus olhos como chama de fogo.

         Agora vejam, por quanto nos profetas se refletiu o Programa de Deus e se refletiu a Vinda do Senhor…, tanto a Primeira como a Segunda Vinda de Cristo nos profetas do Antigo Testamento, e nos anjos mensageiros das sete eras se refletiu a Segunda Vinda de Cristo.

         Por isso em nosso irmão Branham encontramos que em um inúmeras de ocasiões se refletiu a Segunda Vinda de Cristo e o ministério da Segunda Vinda de Cristo para o Último Dia.

         Por isso é que em muitas ocasiões acontece como quando o eunuco lia a passagem de Isaías, do capítulo 53, e diz o Espírito Santo a Felipe: “Aproxima-te do eunuco que vai em seu carro.”

         E aproximou, e o escutou lendo o livro do profeta Isaías (no capítulo 53), e Felipe pergunta: “Entendes o que lês?”

         E o eunuco diz: “Como poderei entender, se não há quem me explique?” E o convidou a subir ao carro. E disse: “Aqui o que o profeta está falando, está falando ele de si mesmo ou está falando de outra pessoa?”

         Disse Felipe que está falando de outra pessoa, e começa a explicar sobre a Primeira Vinda de Cristo e como se cumpriu esse capítulo 53, onde como ovelha foi levada ao matadouro. Isso se cumpriu quando Cristo foi levado à Cruz do Calvário e morreu ali.

         Não estava falando de si mesmo, o profeta Isaías, mesmo que parecesse que estava falando de si mesmo.

         Muitos dos profetas do Antigo Testamento, quando falaram sobre a Vinda do Messias, tanto para a Primeira Vinda do Messias como para a Segunda Vinda do Messias, aparentemente estavam falando de si mesmos, mas não era assim.

         Por exemplo, o rei Davi, quando disse: Trespassaram as minhas mãos e meus pés. Contar posso todos meus ossos” [Salmo 22:17], de quem estava falando? Estava falando do Messias, mesmo que parcialmente estivesse se cumprindo nele como tipo e figura do que se cumpriria no Messias.

         E assim foi com os profetas do Antigo Testamento, com relação ao que se refletiu neles sobre a Primeira Vinda de Cristo e da Segunda Vinda de Cristo. E também nos mensageiros das sete eras se refletiu a Segunda Vinda de Cristo.

         Por isso poderemos encontrar, principalmente no sétimo anjo mensageiro, o reverendo William Branham, muitas coisas que ele disse, as quais, aparentemente as falava de si mesmo, mas correspondem ao que viria depois dele: correspondem à Vinda da Pedra não cortada por mãos, correspondem à Vinda do Senhor, a Segunda Vinda de Cristo neste Último Dia, como A PEDRA UNGIDA EM BETEL; a Pedra ungida na Igreja do Senhor Jesus Cristo, que é Betel atual profético, onde a Segunda Vinda de Cristo está prometida para ser manifestada, onde está prometida a Vinda da Pedra não cortada por mãos. Daí é de onde é cortada essa Pedra: da Segunda Vinda de Cristo, e ungida com o azeite do Espírito Santo.

         Agora podemos ver “A PEDRA UNGIDA EM BETEL”.

         Ainda há muitas coisas mais com relação a esta Pedra ungida em Betel, porque todo o Programa de Deus para o Último Dia gira ao redor desta Pedra ungida em Betel, ou seja: que gira ao redor da Segunda Vinda de Cristo.

         Assim que somente falamos algumas coisas aqui, mas podemos estar todo o ano falando sobre esta Pedra ungida, que seria falando sobre a Segunda Vinda de Cristo.

         Eu já levo muitos anos falando desta Pedra ungida, e ainda não terminei de dizer tudo o que Deus quer que eu diga sobre esta Pedra ungida em Betel.

         Mostrei-lhes por meio da Escritura o que Deus disse desta Pedra ungida, da Segunda Vinda de Cristo. Mostrei-lhes o que Deus disse por meio do precursor da Sua Segunda Vinda com relação à Vinda desta Pedra ungida.

         E quando esta Pedra ungida vier, será a Vinda do Cavaleiro do cavalo branco de Apocalipse 19. E quando vier:

         “121. … quando nosso Senhor aparecer sobre a Terra, Ele virá sobre um cavalo branco como a neve, e será completamente Emanuel — a Palavra de Deus encarnada em um homem.”

         Essa é A PEDRA UNGIDA EM BETEL, na Igreja do Senhor Jesus Cristo em e para este Último Dia.

         Que as bênçãos da Pedra ungida em e de Betel, as bênçãos de Cristo em Sua Primeira e Segunda Vinda, sejam sobre todos vocês e sobre mim também; e em breve se complete o número dos escolhidos de Deus, e em breve os mortos em Cristo ressuscitem em corpos eternos e nós os que vivemos sejamos transformados e levados à Ceia das Bodas do Cordeiro no Céu. No Nome Eterno do Senhor Jesus Cristo. Amém e amém.

         Foi para mim um privilégio grande dar testemunho de “A PEDRA UNGIDA EM BETEL”.

         Bom, que Deus continue abençoando a todos, que Deus os guarde, e conosco novamente Miguel Bermúdez Marín.

         “A PEDRA UNGIDA EM BETEL”.

Eu, Jesus, enviei o meu anjo para dar a vocês este testemunho concernente às igrejas. Eu sou a Raiz e o Descendente de Davi, e a resplandecente Estrela da Manhã". Apocalipse 22:16